Oscar e Clarice

 

 

Oscar e Clarice são dois alunos aplicadíssimos do nono ano de um mesmo colégio. A professora de literatura pede como trabalho final uma produção sobre autores consagrados da literatura universal.

Todos já escolheram sobre quem produzir menos Oscar e Clarice que estão sempre mudando de títulos, tentando se destacar como CDFs que são.

A professora percebendo que a competição já estava tomando ares destoantes desafia os dois a produzirem algo sobre autores que tinham algo em comum com os dois: o nome. Pede para que produzam algo sobre Oscar Wilde e Clarice Lispector.

Pronto, a largada estava dada e o desafio aceito. Os dois mais do que depressa correm para suas casas pensar o que podem fazer para serem os melhores e defender os seus autores.

Passam o tempo todo se alfinetando, tentando sondar a produção do outro, arrumando assim as maiores confusões.

Clarice consegue resolver rapidamente sua produção, pensando em um espetáculo teatral com sua amiga Laura, sobre o conto “Felicidade Clandestina”.

Oscar pensa em fazer uma narração de estórias com o conto “O Rouxinol e a Rosa” de Oscar Wilde, mas uma das colegas de sala fica doente e a única pessoa que conhecia o texto e poderia substituí-la era Clarice.

A narração fica incrível, todos gostam muito, inclusive Clarice.

Oscar acaba se apaixonando por Clarice e ela por ele.

Percebem que a competição era uma grande besteira e que na verdade, o que queriam mesmo era conquistar o coração um do outro.

© 2019 por evoéciadeteatro